fbpx

No momento da negociação, muitos investidores esquecem as teorias que estão por trás do comportamento dos mercados. Para um comerciante, é crucial conhecer algumas das premissas que foram criadas há várias décadas para entender o movimento dos preços. Em seguida, vamos explicar brevemente uma das teorias mais antigas nos mercados financeiros, a teoria da Dow.
Charles Dow contou com 6 princípios para explicar os mercados em geral:

As médias descontam os movimentos
Esta premissa criada por Dow menciona que a informação histórica dos mercados reflete o comportamento destes. Ou seja, os próprios mercados refletem todos os fatores entre oferta e procura que podem ser conhecidos, bem como fatores externos ao mercado. Por exemplo, o mercado não pode antecipar desastres naturais, mas pode reagir imediatamente a eles e isso é visto com movimentos drásticos de preços quando há eventos importantes.

Existem três tendências principais
Fala-se de 3 tendências que são observadas todos os dias nos mercados. A tendência primária, a tendência secundária e a tendência menor. A tendência primária refere-se a movimentos recorrentes com durações superiores a um ano e até vários anos.
A tendência secundária refere-se aos possíveis movimentos que corrigem a tendência primária, isso geralmente dura semanas ou até meses. Finalmente, a tendência menor, é uma tendência de curto prazo que dura menos de um mês, reflete os movimentos dos preços de um ativo no curto prazo e é o que muitos comerciantes costumam usar para gerar posições no curto prazo, não superior a um mês.

As tendências são compostas por três fases
A primeira fase é chamada de acumulação, que se refere à compra informada dos investidores que geram uma mudança na tendência. Pode ser visto graficamente como o final de uma tendência de baixa onde se criam várias velas de indecisão até ao final da tendência e, em seguida, volta para uma tendência de alta.
A segunda fase é conhecida como participação pública, refere-se à participação generalizada de diferentes investidores em favor da tendência. Graficamente, pode ser visto como movimentos acelerados no preço para uma direção, seja esta de alta ou de baixa.
A fase final é chamada de distribuição. Contrariamente à acumulação, esta gera-se ao final de uma tendência de alta / baixa, em que os investidores começam a vender / comprar antes que a grande maioria o faça. Nos gráficos, pode ser visto como a série de velas de indecisão que aparecem no final de uma tendência e geram uma mudança na direção da tendência oposta ou de uma lateralidade.

As médias devem-se confirmar entre si
Quando a Dow falava sobre o mercado, baseava-se no setor industrial e no setor ferroviário, mas também funciona em outros setores. Ao falar de confirmação ele queria dizer que os sinais que dão os preços devem ser congruentes com o que está acontecendo, ou seja, os sinais nas médias devem estar direcionadas no mesmo sentido para poder confirmar uma mudança de direção nos preços.

O volume confirma a tendência
Neste princípio, Dow menciona que, conforme se desenvolve uma tendência, seja alta ou baixa, o volume deve aumentar na direção da tendência. Ou seja, se, por exemplo, há uma tendência ascendente, o volume deve ser maior nos períodos de alta e menor nos períodos de quedas no preço.

Diz-se que uma tendência está em vigor até que sinais definitivos sejam gerados que mostrem que ela mudou
Este princípio tem sido muito importante na história dos mercados, pois leva em conta que uma tendência continua até que algo externo cause sua mudança. Atualmente, existem Traders que usam ferramentas técnicas ou análises fundamentais para prever possíveis mudanças na tendência, mas o que Dow recomendou em seu tempo foi seguir a tendência até ter certeza absoluta de que ela havia terminado. Hoje existem frases para este princípio, como “a tendência é minha amiga”.